Impressões 3º Encontro Mensal da ALATS São Paulo

by

Pessoal,

Ocorreu nesta terça-feira (23/06) o 3º encontro mensal da ALATS. E tive o prazer de participar deste encontro que teve como tema “Teste de Performance”, palestrado por Fábio Martinho Campos.

Abaixo, segue as minhas impressões do evento.

Palestra

Como vocês podem já ter pensado, o tema deste encontro não é nada fácil, afinal os testes de performance são um dos mais difíceis de serem executados, e ainda não é muito aplicado no mercado brasileiro.

O Fábio começou sua palestra apresentando alguns conceitos de teste de performance e apresentando as diferenças entre teste de performance, que é do tipo não-funcional, e o funcional. Logo de cara, ele deixou bem claro que ele não é igual ao teste funcional e é bem mais complexo, e que o responsável pela sua execução precisa um bom e variado conhecimento sobre todo o sistema (BD, aplicação, rede, etc).

Os testes de performance agrupam vários outros testes, como por exemplo:

  • Teste de Carga: o teste de carga simula muitos usuários acessando um servidor ao mesmo tempo, a fim de verificar diversos contadores de performance (ex.: tempo de resposta);
  • Teste de Stress: leva o sistema ao caos, por exemplo: deixar a aplicação rodando por 2 meses com uma alta carga. Seu objetivo é identificar os limites do sistema.

Esse tipo de teste tem três percepções gerais: teste de tempo e resposta, teste de throughput (taxa de transferência) e teste de capacidade.

Alguns pontos interessantes levantados pelo Fábio:

  • É preciso ter um profissional especializado para executar o teste de performance, geralmente, é um profissional sênior. Há até um cargo específico para o profissional que realiza testes de performance, o de Analista de Performance;
  • O Analista de Performance é um profissional muito ativo e amigo de todos, afinal precisa da ajuda de outros profissionais (DBA, Analista de Redes, Arquiteto, etc) para desempenhar o seu papel de uma forma mais efetiva;
  • Um dos principais objetivos do teste de performance, senão o principal, é identificar onde está o gargalo, e essa é uma tarefa não muito fácil, pois há uma séria de fatores que devemos analisar, por isso o profissional deverá ter bastante atenção, saber interpretar gráficos, entender das métricas e ter um conhecimento do sistema e da maneira que ele está arquitetado;
  • Os testes de performance são essenciais em qualquer programa de Qualidade de Software, pois podem revelar falhas bem graves e impactar diretamente no negócio do cliente. Um exemplo dado, foi de um site de uma companhia área que ao realizar promoções, não resistiu a carga de acessos e ficou fora do ar. Imagine o tanto de clientes que desistiram da tal promoção, e como a credibilidade da companhia pode ter diminuído, perante os consumidores;
  • Ao realizar testes de performance você necessita de número, os resultados são baseadas em dados quantitativos e não qualitativos (sem números não tem como saber onde chegar);
  • O Analista de Performance pode ajudar o cliente na definição dos requisitos não-funcionais;
  • O testador deverá realizar os testes muitas vezes, analisar e gerar relatórios;
  • As melhores ferramentas para teste de performance são pagas;
  • É uma que tem bem poucos profissionais capacitados e que deverá crescer no Brasil;
  • Para aqueles que se interessam nessa área e gostariam de ingressa nela, uma boa é aprender alguma ferramenta de teste de performance (ex. LoadRunner, Rational Performance Tester e SilkPerformer)entender bem o funcionamento dela e depois busca uma certificação na ferramenta estudada.

O Fábio apresentou os ciclos do teste de performance, que ainda podem ter algumas variações dependendo do tipo de teste de performance que está sendo realizado.

Atividades principais do teste de performance
Atividades principais do teste de performance

Ainda foi comentado que há uma série de fatores que podem influenciar a performance de um sistema, desde da linguagem de programação escolhida até como está arquiteturada a rede de dados. E também alguns mitos existentes sobre o teste de performance, como por exemplo: se tudo está funcionando perfeitamente de forma funcional, estão está tudo certo.

E no final o Fábio apresentou duas ferramentas de forma prática:

  • O PerfMon, ferramenta gratuita da Microsoft para monitoração do sistema;
  • WebLOAD, ferramenta para geração de carga focada em Web.

Conclusão da Palestra

Como puderam perceber a palestra abordou de forma bastante ampla o tema, e o Fábio conseguiu aprofundar e dá mais informações sobre alguns pontos. A palestra foi muito boa, a forma como o assunto foi abordado fez com que todos conseguissem assimilar as informações e saírem com um conhecimento mais maduro sobre teste de performance.

Com certeza é um assunto muito interessante e pertinente, afinal uma hora você irá precisar fazer testes de performance (isso se já não deveria está fazendo), pense nisso.

Encontro

Durante a palestra do Fábio, houve bastante espaço para perguntas, todos puderam tirar dúvidas e trocar experiências. Foi bem legal! E ainda teve o coffee break, onde pudemos conversar mais sobre os assuntos de palestra e também conversar com os amigos.🙂

Conclusão Final

Foi mais uma excelente oportunidade de falar sobre Teste de Software num ambiente agradável, com um pessoal participativo e palestra e palestrante de altíssimo nível.🙂

Próximo Encontro

E como é de praxe, foi divulgado as informações do próximo encontro. E o encontro de número 4º terá como tema “Automação: Mitos e Verdades” e será palestrado por um tal de Elias Nogueira, alguém sabe quem é esse cidadão? Ouvi falar que é um cara que veio do Sul e que torce pro Internacional…rsrs…brincadeira. O Elias Nogueira, autor do blog Sem Bugs, é um dos melhores e mais participativos profissionais da nossa área. E irá compartilhar um pouco do seu vasto conhecimento nesse encontro.

Ou seja, será mais uma ótima oportunidade para aprender e discutir sobre Teste de Software, e lógico que também para zoar com a cara desse Colorado (rsrs…infelizmente tô achando que o “Curinthia” [Ronaldo!] já ganhou a Copa do Brasil, espero que eu esteja enganado).

Então pessoal, se programem e divulguem na sua empresa, bairro, associação, buteco, etc o encontro.🙂

Abraços!

Ahhh…para aqueles que acham que o Fábio Martinho Campos é o cara, o “monstro”, eu descobrir dois defeitos nele (hehe): ele é corinthiano e ama o IE (Internet Explorer). Bem o primeiro até é justificável, afinal a probabilidade de ser corinthiano é grande, já para o amor ao IE eu realmente não entendi (deveria até te perguntado), o IE é muito ruim comparado aos outros navegadores, mas fazer o que, gosto é gosto, não se discute. Ninguém é perfeito.

P.S.: Assim que estiver disponível a apresentação no site da ALATS, eu atualizo o post e coloco aqui o link. É um rico material, são mais de 60 slides bem elaborados.

Fonte:

J.D. Meier,  Carlos Farre,  Prashant Bansode,  Scott Barber,  Dennis Rea. Performance Testing Guidance for Web Applications – patterns & practices, Microsoft, 2007. (link download)

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: