RubyConf 2010 – estivemos lá! – Segundo dia

by

O segundo dia começou com o keynote do Evan Phoenix, que palestrou sobre o Rubinius, uma Virtual Machine para Ruby. Na palestra houve uma visão geral do Rubinius que é um plataforma para rodar código Ruby e houve grande destaque na parte de performance que o Rubinius fornece e também nas facilidades que ele traz, como por exemplo para fazer testes de performance.

Charles Nutter falou sobre o JRuby, a máquina virtual Ruby que roda sobre a JVM. Ele explicou detalhes, funcionalidades e vantagens do JRuby como:

  • Instalação e configuração rápida do JRuby;
  • Ampla gama de plataformas suportadas pelo JRuby, incluindo Windows, Z/OS, AS/400, Android.
  • Suporte a Threads nativas reais no JRuby;
  • Uso e reúso de bibliotecas Java e bibliotecas nativas no JRuby;
  • Diferenças de performance grandes em relação a VM Ruby “canônica”;
  • Compilador JIT;
  • Rails executa corretamente no JRuby;
  • Suporte a quase toda API do Ruby até 1.9.

Também tivemos exemplos rápidos de aplicativos durante a palestra:

  • “jirb”, o console interativo do JRuby;
  • Um simulador de piano rodando no JRuby;
  • Um renderizador de círculos rodando no JRuby para o Android;
  • Um jogo que usava JMonkeyEngine rodando no JRuby.

A palestra do David Chelimsky foi muito interessante pois ele falou sobre a manutenção do equilíbrio, reduzindo a duplicação de códigos em uma variedade de formas e os riscos associados a cada um. estratégias para reduzir a duplicação, sem sacrificar princípios de design como encapsulamento, baixo acoplamento e alta coesão.

O princípio DRY (Don’t Repeat Yourself) sugere que “cada pedaço do conhecimento deve ter uma única representação autoritativa dentro de um sistema.” Uma orientação forte, mas muitas vezes é atendido sem uma clara compreensão de suas motivações subjacentes, nem a consideração de outros princípios que poderiam levar o código a outras direções.

Depois do almoço houve a palestra do Ola Bini que falou sobre “O passado e o futuro das linguagens de programação”. A palestra dele foi bem interessante, pois mostrou as linguagens em que o Ruby foi inspirado, baseado em suas características principais.

Scott Chacon palestrou sobre Git, e sua palestra foi separada em duas partes: na primeira ele falou das novas funcionalidades da última versão do Git (1.7.3) e na segunda parte falou sobre alguns comandos do Git que não são tão populares. Maiores detalhes da palestra do Chacon podem ser encontrados na sua apresentação.

Após o coffee break o Alexandre Gomes falou de algumas escolhas, erros, acertos, atitudes e coragem? Como por exemplo: Computação ou medicina? Passar num concurso, enviar curriculos ou abrir uma empresa? Web, mobile ou desktop? Desde os tempos de escola somos inundados de questões que somente o curso da vida nos é capaz de responder. Em nossa formação escolar, somos orientados a seguir um único caminho, o caminho da estabilidade, segurança e conforto. Educam-nos a sermos submissos e obedientes e, condutas fora do padrão esperado são rechaçadas e condenadas ao castigo. Protagonizando essa história, estamos nós,  sob avaliação incisiva dos olhos críticos da sociedade. Poucos, acertam de primeira em suas escolhas de vida. Outros, no entando, não têm a mesma sorte e atrofiam-se em gaiolas de outro sem gozar do prazer de se viver dia após dia.

Fez refletir-nos sobre todos estes fatos, usando exemplos reais de rotinas de profissionais na mais diferentes situações e analisando porque a paixão pelo trabalho é a principal virtude compartilhada por profissionais e empreendedores de sucesso.

A última palestra do Ruby Conf 2010 foi a de Jim Weirich, uma das palestras mais aguardadas do evento, onde todos foram reunidos no mesmo horário e na mesma sala.
Figura importante no mundo Ruby, Jim é o cientista-chefe da EdgeCase LLC, uma empresa de desenvolvimento Rails localizado em Columbus Ohio.
A palestra falou sobre os princípios SOLID que são um conjunto de princípios de design que melhoram um design orientado a objeto.
Os cinco princípios são:
  • Princípio da Responsabilidade Individual
  • Principio Aberto / Fechado
  • Princípio da substituição Liskov
  • Princípio da Segregação de Interface
  • Princípio da Inversão de Dependência
Jim explicou cada um dos princípios, dando exemplos e principalmente fazendo muitas perguntas à platéia para que todos que quisessem opinar ficassem a vontade para falar a respeito das práticas de programação do SOLID.
O SOLID surgiu das linguagens de programação OO como C++ e Java, durante a palestra, Jim explicou como é possível utilizar o SOLID no Ruby on Rails.

Conclusão

A RubyConf 2010 foi excelente, com ótimas palestras sobre temas bem variados e com palestrantes de alto nível. No geral, as palestras foram de nível intermediário para avançado, isso é ruim por um lado, pois em várias acabamos “boiando”, mas em contrapartida é bom, pois nos faz perceber que precisamos aprender mais e força as pessoas a terem mais interesse em buscar entender melhor os assuntos e se aprofundar mais.

Esperamos que a RubyConf 2011 seja melhor ainda (com wifi funcionando rs). Parabéns a todos da organização e ao Fabio Akita pelo trabalho singular que vem exercendo na comunidade Ruby.

Autores:

Bruna Oliveira

Daniel Sakuma

Fabrício Campos

Glaucia Mekaru

William Nishio

Fonte imagens:

http://www.flickr.com/photos/locaweb/

Tags: , ,

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: