Posts Tagged ‘scrum alliance’

Scrum Gathering 2009 – Primeiro dia – Parte 2

maio 14, 2009

Continuando a transcrição do evento.

Apresentação do Ken Schwaber

Um dos criadores do Scrum fez sua apresentação através de vídeo-conferência, então por isso era uma apresentação mais parada e menos interativa.

Começou falando sobre o Manifesto Ágil, concebido em 2001, e sobre a importância de preferir os itens da esquerda sobre os da direita. Mostrou alguns gráficos mostrando que as empresas estão usando mais Agile que Waterfall. Outra coisa que vem crescendo também é o número de CSM (Certified Scrum Masters), de 8000 em 2006 até 54000 no ano passado. (Um outro ponto de vista pode ser encontrado aqui)

O que é o Scrum?

Segundo ele, é um framework bem leve, empírico, dependente da inspeção e adaptação. É iterativo, com times auto-organizáveis gerando incrementos.

Valores do Scrum:

  • Transparência
  • Ser empírico
  • Auto-organização
  • Integridade: assim que perceber algo, faça algo
  • Entrega de valor

Como o pessoal tem usado o Scrum?

Boas notícias

  • Timeboxes são bem usados e respeitados.
  • Menos uso de cascata.
  • Valores ágeis são bem conhecidos, públicos.

Más notícias

  • Desenvolvedores tem problemas ao fazer incrementos e entregar software realmente pronto.
  • Cliente joga uma lista de requisitos para o outro lado da parede, e só volta quando passou o tempo suficiente para ficar pronto.
  • Gerenciamento médio de TI é resistente ao Scrum. Fazem a pergunta: com Scrum, para que eu sirvo?
  • Transparência é evitada.
  • Comando-controle prevelece.

Muitos destes pontos ruins têm origem no método cascata. Um projeto cascata está completo quando tem todos os requisitos que você passou inicialmente. Já no Scrum, você começa com um approach de quem tem ainda muito o que fazer, só definimos um objetivo e coisas mais importantes e de maior valor. A principal diferença entre as duas abordagens estará no fato de que após 1 mês já temos algo pronto, fica mais fácil prever o futuro. Começamos pelas coisas que fazem mais sentido.

Como todo gringo, quando quer se aproximar do brasileiro, fez uma analogia com o futebol. O Scrum é como futebol. Traves, bolas e afins. Se você tiver um bom time, o jogo será melhor. Senão… é, você vai ter problemas.Pode-se encontrar maiores informações sobre Scrum no site da Scrum Alliance.

ScrumBUT

Scrum está sendo adotado por diversos tipos de companhias que enfrentam problemas. Muitas vezes, quando as empresas usam, elas criam razões para só usar parte do Scrum. E existem várias razões para não se utilizar.

O que é ScrumBut? É quando a empresa aplica uma adaptação do Scrum só para facilitar as coisas. O nome surge do diálogo:

– Você usa Scrum?

– Sim, mas… (em inglês, yes, but…) => aí surge o ScrumBUT

Um exemplo de ScrumBut seria o de não fazer reuniões diárias. Para ver se o fato de não fazer reuniões diárias está causando problemas na equipe, pergunte ao time como pretendem entregar a versão. A tendência é que as informações estejam desencontradas.

Outro exemplo de ScrumBut é o fato de não termos sprints entregáveis. É necessário um sprint de estabilização.

Comando-Controle

Depois ele fez um exercício utilizado em treinamentos de CSM. É um exercício para mostrar o uso do comando-controle. Neste exercício todos tem que levantar e andar pela sala. É engraçado porque causa desconforto nas pessoas. E o intuito do exercício é demonstrar que é mais produtivo e divertido trabalhar de forma auto-gerenciável. E o ponto da produtividade é um ponto muito importante para se vender para a gerência.

Certificação Certified Scrum Developer

Nestes posts, estou mais transcrevendo o que se passou do que dando opinião. Mas este foi um momento estranho.

Ele começou a falar que somente 25% dos desenvolvedores estão preparados para trabalhar em um projeto Scrum. Eles não estão preparados para entregar software entregável (ficou meio redundante, hehe). Até aí nada de novo. De repente ele começa a falar sobre uma certificação nova da Scrum Alliance.

Esta certificação seria um curso para times, para fazer software entregável em um sprint. Esta certificação seria baseada em .NET + Visual Studio Team System + um plug-in Cochango, se não me engano. Metade do auditório (eu entre eles) fez menção de rir, ainda mais porque se tratava de fazer em conjunto com uma ferramenta específica.

Depois, quando perguntado, ele disse que a idéia é ter diferentes técnicas de engenharia e metodologias sendo certificadas em conjunto com Scrum.

Ao final, ele disse que não era só sobre Scrum, mas sim, sobre melhorar a profissão.

Minha opinião

Ainda é preciso aguardar para ver o que vem daí, mas de cara parece um samba do crioulo doido. E a motivação principal parece ser o fato de ter uma demanda reprimida na área de aplicar engenharia com Scrum. A iniciativa parece louvável, mas alguns fatos como:

  • Vender uma nova certificação
  • Criar ferramentas certificadas pela Scrum Alliance
  • Criar práticas que estejam ou não de acordo com a Scrum Alliance

Vão contra o que até ele mesmo disse que o Scrum é um framework leve, que tem somente o necessário para sua empresa. Mas vamos aguardar!

Voltar para o resumo do primeiro dia

Anúncios

Scrum Gathering – Palestra de boas vindas

maio 13, 2009

Palestra: Boas vindas de Jim Cundiff

Depois dos agradecimentos iniciais, ele falou sobre a Scrum Alliance, o crescimento do Scrum e ressaltou que eles consideram que o Scrum seja um Framework que pode ser utilizado tanto por praticantes de XP ou PMPs. (saiba mais)

Disse que  a Scrum Alliance foi de uma organização que tinha objetivo de ser a fonte de Scrum para desenvolvedores de software, para uma organização que tem como objetivo transformar a forma que o mundo trabalha.E para isso eles pretender aumentar sua presença na América Latina, começando no Brasil.

Falando em crescimento, o número de Certified Scrum Master cresceu muito nos últimos anos, foi de 8000 em Dezembro de 2006 com maioria nos EUA (se não me engano) para 53000 com maioria fora do EUA em dezembro de 2008. E para continuar crescendo, eles querem criar mais grupos locais e se transformar em um framework para ser utilizado tanto em XP quanto para PMPs, por exemplo.

De 8000 (acredito que em Dec.2007 – maioria nos EUA) para 53000 (maioria fora dos EUA).
Eles querem criar mais grupos locais, e transformar em um framework para XP, para PMP’s.

Sobre a organização, duas críticas:não havia bloquinhos para anotação nas primeiras palestras e a internet sem fio era paga.

Voltar para o resumo do primeiro dia